cropped-cropped-logo-omar-face-tv-1.png

Categoria:

Especialista Bruna Moreira explica sobre Divórcio e o aumento significativo de Alienação Parental

A Dra. Bruna Moreira explica que a alienação é mais comum do que se imagina, trata-se de um sério problema nas varas de família, (LEI12.318/2010), que define a alienação parental como:

“Toda interferência na formação psicológica da criança ou adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós, ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este”.

Alienação parental é um abuso moral contra a criança.

Embora seja mais perceptível nas relações entre pais separados, sobretudo, nos casos de divórcios litigiosos, a alienação parental é uma realidade que cada vez mais acomete as famílias em geral. É muito comum que o final de um relacionamento mágoas e decepções ocorram, alguém sempre saí mais afetado ou com negação sobre o fim do casamento.

 

CUIDADO! VOCÊ PODE PERDER A GUARDA DO SEU FILHO

Bruna Moreira – Especialista em Alienação Parental trabalha lado a lado de advogados e juízes do Brasil e residentes do exterior, ela relata que muitos pais no primeiro momento praticam a alienação de forma inocente e inconsciente. Por isso devem se atentar sobre seus próprios comportamentos, a primeira dica é: jamais utilize seu filho como um cabo de guerra.

 

Características da alienação parental

Veja, a seguir, alguns sinais que indicam a ocorrência de alienação parental:

– Realizar campanha de desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;

– Dificultar o exercício da autoridade parental;

– Dificultar o contato de criança ou adolescente com genitor;

– Dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar;

– Omitir deliberadamente ao outro genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e de alterações de endereço;

– Apresentar falsa denúncia contra um genitor, contra familiares deste ou contra avós, para obstar ou dificultar a convivência deles com a criança ou adolescente;

– Mudar o domicílio para local distante, sem justificativa, visando a dificultar a convivência da criança ou adolescente com o outro genitor, com familiares deste ou com avós.

 

 

Para conhecer um pouco mais de seu trabalho, você pode acompanhar Bruna Moreira nas redes sociais ou acessar o site.

www.neuroequilibrio.com.br

http://www.instagram.com/@brunamv__

Compartilhe na redes sociais

Artigos Relacionados